BARCELONA E VALÊNCIA FORAM REIS DO MERCADO FALHADO

Mercado de Transferências

Que o Barcelona tinha sido um dos clubes geralmente afetados pela pandemia de Covid-19 era conhecido naquele momento e as contas eram terríveis até então, devido à conta de pagamento mais notável da história do futebol, e é difícil perceber como houve quem, em particular na Itália, prosseguisse com aquele drama do final da primavera recrutando Lautaro Martínez por 100 milhões de euros. Uma vez que o último dia de mercado demonstrou que o Barça até 10 teria problemas de pagamento segundo a imprensa local, a contratação do focal Eric García fracassou por 2 milhões de euros, entre os 20 que a cidade pediu e os 18 que os culés anunciaram. Então Koeman ficou sem o foco planejado, mas também sem o atacante ideal, Memphis Depay, que o Lyon precisava vender e o Barcelona precisava comprar, apenas o dinheiro estava ausente.

No caso de Koeman ter se perturbado, as coisas estão muito mais terríveis em Valência e o mentor Javi Gracia, recrutado no início do período, vai até pensar em sair, já que Peter Lim, o proprietário do clube, lhe garantiu fortificações e não tanto quanto um apareceu. Nem ontem, nem outro dia qualquer. Nem a custo zero, nem emprestado, para não falar no gasto de um euro, apesar dos negócios de Rodrigo, Ferrán Torres e Coquelin por € 60 M e dos voos de Parejo, Piccini, Garay, Florenzi e Jaume Costa.

Diferentes clubes finalmente deixaram de trabalhar juntos: Roma se recusou a restaurar El Sharaawy; Milão bombardeou todos os esforços para localizar outro meio; O Inter não descobriu um lugar para Nainggolan e assim não pôde trazer Moisés; O Marselha de André Villas Boas não encontrou um lateral-direito para suplantar Bouna Sarr; O West Ham foi negado por Tomori (Chelsea) no final do mercado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *