A JUSTIÇA SUÍÇA PEDIU 28 MESES DE PRISÃO PARA NASSER AL-KHELAIFI

O tribunal suíço pediu 28 meses de prisão para o líder do Paris Saint-Germain e da beIN Media, Nasser Al-Khelaifi, e 35 meses para o número dois da FIFA, Jérôme Valcke, em julgamento sobre direitos televisivos.

Ao contrário do que ocorreu na preliminar do caso primário, em época de colheita de 2020, a investigadora do governo Cristina Castellote não exigiu a suspensão da pena pela metade, mas uma sentença bem-sucedida de dois anos e quatro meses para Al-Khelaifi e apenas cerca de três anos. para o ex-diretor do órgão que administra o futebol mundial.

De acordo com o escritório do investigador, Al-Khelaifi, 48, e Valcke, 61, deram um mau consentimento para conceder à beIN os privilégios de comunicar as Copas do Mundo de 2026 e 2030.

Os dois especialistas em jogos são culpados por terem feito um acordo misterioso com a Fifa, de “administração desnecessária”, merecedor de cinco anos de prisão.

Na preliminar principal, o tribunal observou que Valcke manteve a atribuição de privilégios de TV ao desvio beIN em troca de uma casa na Costa Esmeralda da Sardenha (Itália), comprada para ele no final de 2013 por 5.000.000 euros, por uma  organização de Khelaifi.

O anterior secretário-geral da FIFA admitiu que pediu ajuda ao especialista financeiro do Catar para financiar o Villa Bianca, alguns meses antes da assinatura, em abril de 2014, de um acordo entre beIN e FIFA sobre as liberdades de telecomunicações das Copas do Mundo. 2026 e 2030 para o Norte da África e Oriente Médio.

No entanto, o anterior pioneiro francês garantiu que as realidades não estão relacionadas.

Os juízes qualificaram a relação como pay off, em qualquer caso, o tribunal não pode condenar por degradação privada, já que a FIFA retirou sua objeção em janeiro de 2020, após uma concordância com Al-Khelaifi, cujos termos raramente foram descobertos .

A alegação de administração desarrazoada exige a comprovação de que o acordo prejudicou a FIFA, porém os respondentes se blindam com a forma como o acordo, no valor de cerca de 440 milhões de euros, foi o mais benéfico para a associação, pois comportou uma expansão de 60% nas receitas do Copas do Mundo de 2018 na Rússia e 2022 no Catar.

Author: admin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *