AS LUTADORAS OLÍMPICAS MOÇAMBICANAS (RADY GRAMANE E ALCINDA PANGUANA) FAZEM HISTÓRIA

RADY GRAMANE E ALCINDA PANGUANA NAS MEIAS FINAIS

As lutadoras olímpicas moçambicanas Rady Gramane e Alcinda Panguana disputam, esta quarta-feira, o acesso à final do Mundial de Boxe, que acontece em Istambul, na Turquia.

Gramane e Panguana deixaram uma marca proativa no mundo, mas precisam contar ao dourado.

Tendo conseguido a extraordinária realização de condecorações em bronze (2) e uma entrada de dinheiro de USD 25.000 (cerca de 1,5 milhões de Meticais) numa afirmação inspiradora na segunda-feira.

os combatentes moçambicanos Rady Gramane e Alcinda Panguana procuram neste momento o metal mais procurado: o ouro .

Concorrem ao prémio maior de USD 100 mil (cerca de 6.000.000 Meticais) disponibilizado pela IBA (International Boxing Association).

O PERCURSO DAS LUTADORAS

A caminho da final, Alcinda Panguana enfrentará Valentina Khalzova, lutadora do Cazaquistão que venceu a australiana Kaye Frances Scott por 5 a 0 nas quartas de final.

Valentina Khalzova é uma lutadora de referência, tendo vencido o Campeonato Asiático de 2021 no peso médio feminino (69 kg) e o Campeonato Mundial de Boxe Feminino de 2016, além do peso meio-médio (69 kg).

Panguana chega às semifinais após superar Cindy Ngamba da Fair Chance Team, que treina no Reino Unido.

ALCINDA PANGUANA

Excluída da primeira rodada, Alcinda Panguana fez sua apresentação nas oitavas de final com uma vitória sobre a mexicana Brianda Tamara (RSC).

Panguana conquistou, em cinco eventos, o título de chefe local da Zona IV da África.

Ela agitou as coisas no Campeonato Africano da Zona III de 2021, conquistando o prêmio de ouro nesta oposição realizada em Kinshasa, na República Democrática do Congo.

Rady Gramane enfrentará a canadense Tammara Thibeault na classificação dos médios 70-75 kg, que derrotou a australiana Caitlin Anne Parker nas quartas de final com razoável triunfo por 5 a 0.

RADY GRAMANE

Tammara Thibeault, uma lutadora que foi trazida ao mundo em 27 de dezembro de 1996, ganhou uma decoração de bronze no Campeonato Mundial de Boxe Feminino da AIBA de 2019.

Ela se dirigiu ao Canadá nos Jogos Olímpicos de Verão de 2020, realizados em Tóquio, Japão.

Gramane esmagou Karolina Makhno da Ucrânia por 3-2 nas quartas-de-final (com as autoridades nomeadas dando a pontuação de acompanhamento: 29:28 29:28 28:29 27:30 29:28).

A lutadora moçambicana começou a sua cruzada no Mundial com uma vitória por 5-0 sobre a tailandesa Pornnipa Chutee, numa batalha em que foi predominante em todas as três jornadas.

Nas oitavas de final, Rady Gramane venceu o sul-coreano Seong Su-yeon por 3 a 2.

MOÇAMBIQUE ENTRA NA HISTÓRIA

Com o sucesso de duas condecorações de bronze no Campeonato Mundial de Boxe, na Turquia, Moçambique entrou na lista das nações premiadas.

Com certeza, Gramane e Panguana colocam o país entre os 50 países que proativamente conquistaram prêmios nessa oposição sob a égide do IBA.

Lituânia e Argélia também ganharam seus prêmios mais memoráveis ​​ao longo de toda a existência do Campeonato Mundial de Boxe Feminino, tornando-se, as nações vencedoras de 48ª e 49ª medalhas na classificação de todos os tempos.

Author: admin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *